Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

Dia Mundial da Alimentação na Horta FSP-USP

Na última 3a-feira (16/10), a Horta Comunitária da Faculdade de Saúde Pública da USP, promoveu uma atividade em comemoração ao Dia Mundial da Alimentação. 
Com apoio da @hortadafmusp, que doou mudas, fizemos novos canteiros com novas PANCS (Plantas Alimentícias Não Convencionais), como Orelha-de-Macaco, Celosia e Mitsubá. Além disso, houve degustação de PANCs, como foi o caso do chá de peixinho e das flores de capuchinha e folhas de menta e de hortelã, servidas como aperitivos aos participantes. 
Ao final da atividade, a Horta realizou o sorteio de 5 mudas do Viveiro, sendo 2 de abobrinha e 3 de beterraba.

Venha plantar e colher conosco! Te aguardamos! 🌿🌾🌱









Últimos Acontecimentos (Agosto e Setembro)

Durante o mês de setembro, a Horta Comunitária da Faculdade de Saúde Pública passou por mudanças. Em associação com voluntários e o instrutor sobre permacultura Bruno Helvécio, a equipe da Horta fez o remanejamento de alguns canteiros, a fim de aproximá-los dos canteiros principais. Também, foi montado um viveiro, cujo objetivo é produzir mudas para abastecer a horta ao longo do tempo e uma nova composteira, com fezes de animais (cavalos e vacas) e palha. As novas culturas que a Horta está cultivando são: Tomate Carolina, Milho Roxo, Manjericão, Salsa, Almeirão, Agrião, Alface, Couve, Tagete, Pimenta, Beterraba, Abobrinha e Rúcula.
Além disso, foram dispostos novos canteiros em comemoração ao Dia do Nutricionista, em 31/08/2018. Os novos canteiros foram montados próximos aos canteiros principais, e estão repletos de PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais) com plaquinhas para identificação e um banner com dicas sobre as plantas, dentre as PANCs, temos: Peixinho, Azedinha, Ora-Pr…

PANCs no Dia do Nutricionista

Convidamos a todos para nossa programação do dia 31: Plantio de PANCs na horta e Oficina Culinária com PANCS. Inscrição para oficina em: https://goo.gl/forms/06NkGrt2r6h6DDU93









Permacultura

Você provavelmente já ouviu falar no termo permacultura
Mas sabe ao certo do que se trata?
De acordo com David Holmgren, criador do termo juntamente com Bill Mollison: "Uma definição mais atual da permacultura é  a de paisagens conscientemente planejadas que imitam os padrões e as relações encontrados na natureza, enquanto produzem uma abundância de alimento, fibra e energia para prover as necessidades locais”. As pessoas, suas construções e os modos como elas se organizam são centrais para a permacultura, não sendo a concepção de permacultura como agricultura permanente, mas sim de cultura permanente (sustentável). 
A permacultura não é em si a paisagem, nem mesmo as habilidades de cultivo orgânico, a agricultura sustentável, as edificações energeticamente conscientes ou o desenvolvimento de ecovilas. Mas pode ser usada para planejar, estabelecer, manejar e aperfeiçoar esses e todos os demais esforços empreendidos por indivíduos, famílias e comunidades rumo a um futuro sustentáve…

Inscrição para "Hortas Urbanas e Agroecologia"

Como foi o último mutirão do semestre

Hoje ocorreu o último mutirão do semestre. A horta estava em concordância com o inverno que se inicia: seca pela escassez de chuvas.
Retiramos o mato inominável dos canteiros, lamentamos a partida de algumas plantas (poejo, cavalinha, hortelã), abastecemos as demais com regas generosas, plantamos manjericão e colhemos cúrcuma¹. Muita cúrcuma. 
Um mutirão é uma oportunidade de desenvolver interações sociais através de ações educativas e participativas promotoras da saúde das coletividades e que envolvem sustentabilidade ambiental e alimentação.  Parece acadêmico demais, não? Garantimos, no entanto, que é bem prático e ideal para "pôr a mão na terra".





Para os que se interessaram pelos próximos mutirões (que acontecem de dois em dois meses): A horta localiza-se nas proximidades do Restaurante Universitário e da Creche, contando com três minhocários, algumas jardineiras e quatro canteiros agroecológicos enriquecidos pela diversidade dos cultivares: hortaliças, flores, ervas medicinai…

Último mutirão do semestre

Venha plantar e colher!
A Horta FSP convida a todos para um período de cuidado, plantio ou colheita na horta comunitária da faculdade. O evento é livre e aberto a todos os interessados em hortas urbanas, sustentabilidade e conexão com a natureza.


Bactérias antidepressivas no solo: mexer na terra traz paz

"Poder terapêutico da terra"; "benefícios da conexão com a natureza"; "leveza do ar limpo e verde" - são todos emblemas que revitalizam certo estado de paz após o contato com a natureza e cuidado com a terra.
Associações como essa têm como consequência o positivo crescimentos de propostas como o cultivo de hortas em hospitais, unidades psiquiátricas, lares para idosos, espaços comuns.
Em contrapartida, o estilo de vida tipicamente urbano dá-se como estressante devido a fatores distintos: trânsito, longa jornada de trabalho, superpopulação, poluição sonora e de luzes, ambientes mais fechados. 
Cientificamente propõem-se ativos seres vivos causadores da agradável sensação após o contato com a terra: chamam-se Mycobacterium vaccae .


Mycobacterium vaccae sãobactérias específicas do solo que estudos apontam poder aliviar sintomas comportamentais do estresse e até mesmo depressão. 
Evidencia-se queM. vaccae,quando injetadas em ratos, ativam um conjunto de neurônios …

Recomendação: Comer é PANC

A Horta FSP recomenda esta série de eventos, organizada pelo SESC Pompeia, em que "chefs de cozinha, nutricionistas, agrônomos, produtores e pesquisadores são convidados para falar sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais e suas formas de preparo. debatendo sobre a introdução dessas plantas no cardápio diário, contribuindo para uma alimentação mais sustentável e equilibrada".
A programação é quinzenal, até o mês de novembro.


Cenoura

"A cenoura, espécie Daucus carota L., é da família Apiaceae. À família da cenoura pertencem a salsinha, aipo, coentro, erva-doce e nabo. É originária de áreas temperadas da Ásia Central (Índia, Afeganistão e Rússia) e sua cultura remonta há mais de dois mil anos. A colonização portuguesa trouxe a cenoura para o Brasil, mas sua difusão, principalmente no sul e sudeste, só ocorreu depois da imigração de asiáticos e outros europeus. A cenoura destaca-se das outras hortaliças pela grande quantidade de vitamina A que possui, nutriente muito importante para a visão, na prevenção da cegueira noturna e xeroftalmia e no crescimento saudável das crianças. Ela é muito rica em outras vitaminas como B1 e B2, C e K e em sais minerais (Potássio, Ferro, Cobre e Manganês). As fibras, importantes para o funcionamento do intestino e a pectina capaz de baixar a taxa de colesterol do organismo são abundantes na cenoura e constituem mais uma razão para o seu uso na alimentação diária. O baixo consumo …

Quebra-pedra (pedras dos rins?!)

Conhecido popularmente como quebra-pedra, erva-pombinha, quebra-pedra verdadeiro, quebra-pedra-roxo, o Phyllanthus niruri, pertencente à família Phyllanthaceae tem suas folhas usadas como diuréticas, em afecções do fígado, icterícia, cólicas renais, moléstias da bexiga, retenção urinária e como auxiliar na eliminação de ácido úrico. As raízes são também utilizadas em afecções hepáticas com icterícia e os frutos, as sementes e as folhas em diabetes, para dor nos rins, bexiga, dificuldades em urinar, pedra nos rins e como diurético. Apresenta ação antibacteriana (Staphylococcus), antiespasmódica, anticancerígena, antihepatotóxica e antioxidante. Aponta-se que a utilização de Phyllanthus niruri promove um relaxamento dos ureteres que, aliado a uma ação analgésica, facilita a descida de cálculos renais. Haveria um aumento, portanto, da filtração glomerular da excreção de ácido úrico. Justifica-se, assim, o uso popular para pedra nos rins. O extrato de Phyllanthus niruri também normaliza os…

Baunilha+Coco=Macassá

O macassá é cultivado no Brasil como planta medicinal contra doenças de pele, olhos e ouvidos. É de origem africana, usado em rituais praticados por religiões afro-brasileiras; como aromatizador de sopas e substituto de sabonete e, na perfumaria, seu óleo essencial  de perfume doce é extraído.¹
A descrição desse perfume doce é ampla: alguns associam ao coco, outros à baunilha e, outros, ainda, à mistura dos dois.²
Pode-se considerar o macassá uma PANC (Planta Alimentícia não Convencional), termo que se refere a todas as plantas que possuem uma ou mais partes comestíveis, sendo elas espontâneas ou cultivadas, nativas ou exóticas que não estão incluídas em nosso cardápio cotidiano.³
Utiliza-se macassá como substituto da baunilha, na aromatização de leites e no preparo de extrato vegetal, por exemplo.

Segue uma receita de arroz doce com macassá:⁴
Arroz doce com macassá fonte da imagem: https://viveirosabordefazenda.wordpress.com/2016/03/03/o-perfumado-macassa/. Acesso em 23 de maio de 2018.
Ing…

Pode falar "inhame", mas saiba que quase sempre é taro

Temos inhame plantado na Horta!


Inhame é um alimento pouco consumido entre nós - fato lamentável, uma vez que é muito mais nutritivo do que a batata inglesa. O inhame é rico em carboidratos (amido) e minerais (zinco, cálcio, ferro e fósforo), além de Vitamina B e outros vários componentes que servem de matéria-prima para fármacos. ¹ Sobre a nomeação do inhame e suas comuns associações com o cará, Neide Rigo conta uma história explicativa: 
"Há uma confusão enorme em relação aos nomes [inhame e cará] que começou com Pero Vaz de Caminha chamando nossa mandioca de inhame. Depois, os lusitanos resolveram que o cará, já conhecido pelos tupiniquins como Ka’rá, este sim era o inhame que conheciam das outras colônias. A confusão com a mandioca foi desfeita, mas entre carás, inhames e taiobas ninguém se entende até hoje...  O cará, raiz bojuda, marrom, de polpa branca e granulada, do gêneroDioscorea, é chamado de inhame no Norte e Nordeste do Brasil. No restante do País, inhame é o nome do v…

Terceira Feira Nacional da Reforma Agrária

Nos dias 3, 4 e 5 de maio o povo Sem Terra ocupou o Parque Água Branca em São Paulo. "Cerca de 260 mil pessoas passaram pelo parque, que contou com 1215 produtores e produtoras de 24 estados do Brasil, comercializando 420 toneladas de alimentos. Na culinária da terra, encontravam-se 75 pratos típicos das 5 regiões do país. E espalhados pela feira, mais de 367 artistas abrilhantaram a feira!", segundo o @movimentosemterra. A Feira Agrária, que acontece anualmente, coloca em evidência a cultura popular e a proposta de um outro modelo de alimentação a partir da produção camponesa de alimentos saudáveis











Visita ao minhocário

Recebemos duas alunas para conhecer o minhocário, recentemente:



Se você também se interessar em conhecer nossos minhocários entre em contato pelo e-mail (hortafsp@gmail.com), Instagram (hortafspusp) ou Facebook (Horta na Fsp).


A relação entre alimentação saudável e minhocário

Recentemente, voluntárias da Horta FSP realizaram uma manutenção nos minhocários.






A proliferação das minhocas mostrou que era necessário, com o acréscimo de terra e mais matéria orgânica, expandir mais um andar em um de nossos minhocários - temos três: dois de 3 andares e um de 2 andares. Você sabe como funciona um minhocário?

Minhocários podem ser construídos com caixas, obrigatoriamente opacas, devido à alta vulnerabilidade das minhocas quando expostas à luz. O minhocário construído pode ter dois ou três andares - neste post abordaremos o modelo mais tradicional, de três andares.

A primeira caixa do minhocário (de cima para baixo) deve ter  sua base com furos, assim como a segunda. O depósito de uma porção de terra, juntamente com matéria orgânica doméstica e matéria seca (folhas, palha) na primeira caixa e, na segunda, o depósito de substrato de minhocas, fazem com que as minhocas migrem da segunda caixa para a primeira, através dos furos da base, em busca de matéria orgânica. Húmu…