Pular para o conteúdo principal

PANCs e a Horta FSP


                  A brevidade do termo, PANC, geralmente causa mais falta de entendimento sonoro do que estranhamento em si. “Pan o quê?”, “Pankakes?”. "Punk?"
              Não. Plantas Alimentícias Não Convencionais, PANCs.  Aquele “mato” que não se sabe nomear ou reconhecer, visto em canteiros de rua, crescido espontaneamente nas hortas e, uma vez que o leitor se familiarize com as inúmeras espécies  conhecidas como PANCs, em muitos outros lugares será encontrado.
               Nem tudo o que nasce da terra e se encontra por aí é comestível, mas podemos garantir: muito mais do que comemos é. “Cerca de 90% das calorias que a gente come vêm de 20 espécies vegetais, no mundo todo, sendo que existem pelo menos mais de 12 mil espécies alimentícias catalogadas”, nas palavras de Neide Rigo, nutricionista especialista no tema.
               A sociedade vigente adaptou-se a comer o que não necessariamente está na época de nascer. Resultado? Amplo uso de agrotóxicos e altos preços para manter o tomate ou a batata na mesa o ano todo.
Dente-de-leão
                Ora, se nesta estação não nascem tomates com naturalidade, por que não comer abobrinha? E, na falta de batatas, comer cará? Ou inhame? (CEAGESP, 2018)
     Juntando-se os vícios culturais de inviabilidade ambiental e econômica à proposta de PANCs, por que não comer folhas de dente-de-leão?  Ou taioba? Ou tamarillo? Ou feijão guandu? Ou maria-pretinha? Todos esses nascem espontaneamente, em grande parte do ano. E os nomes os denunciam: estão intrinsecamente relacionados à cultura nativa brasileira.
           Não se deve apanhar tudo que existe nos canteiros e ruas da cidade, no entanto. De preferência, a introdução a um Guia sobre Pancs (como o do Instituto Kairós, citado nas referências deste post) deve ser o início, além da assiduidade em hortas urbanas ou comunitárias e feiras livres. Em geral, lavar bem e conhecer as partes das plantas que podem ser comidas (às vezes só as folhas, às vezes só o caule) são táticas suficientes. (INSTITUTO KAIRÓS, 2017)
                 A proposta de PANCs não se trata apenas de consumir plantas exóticas,  mas também inclui o consumo integral dos alimentos. Raízes, folhas, caule e muitas outras partes que em geral não são preparadas, por convenção social, podem ser comidas. Nesse raciocínio, há um intercâmbio cultural e também diminuição do desperdício através da degustação de um único botão de flor ou das folhas da beterraba ou da batata doce.
          PANCs representam com sabor como sustentabilidade e patrimônio cultural podem ser comidos e nutrir o corpo. E há algumas delas na Horta! Se quiser conhecê-las mais ou fazer um tour pela Horta para identificá-las, deixe aqui seu comentário.


Referências:

CEAGESP. SAZONALIDADE DOS PRODUTOS COMERCIALIZADOS NO ETSP. Disponível em: <http://www.ceagesp.gov.br/wp-content/uploads/2015/05/produtos_epoca.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.

INSTITUTO KAIRÓS. Guia Prático sobre PANCs: plantas alimentícias não convencionais. São Paulo: Instituto Kairós, 2017. Disponível em: <https://institutokairos.net/portfolio-items/guia-pratico-de-panc-plantas-alimenticias-nao-convencionais/>. Acesso em: 14 mar. 2018.

PAULO, Sesc São. Resistência Panc: pela diversidade, liberdade e autonomia na alimentação. Disponível em: <https://www.sescsp.org.br/online/artigo/compartilhar/11428_RESISTENCIA+PANC+PELA+DIVERSIDADE+LIBERDADE+E+AUTONOMIA+NA+ALIMENTACAO>. Acesso em: 10 out. 2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Horta beneficiando e sendo beneficiada pela comunidade

Estimular o convívio entre as pessoas e com a natureza no ambiente urbano sob uma visão de sustentabilidade e saúde é uma boa forma de definir o objetivo da Horta. E nada mais ilustrativo do que a doação que recebemos e a que fizemos:



Rodas de chá na Horta

A Horta convida a todos para participar desses "cházinhos", em parceria com o Centro de Referência em Alimentação e Nutrição do Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza (CRNutri). Esses encontros propiciarão a degustação de chás aromáticos e terapêuticos, o compartilhamento de informações sobre plantas medicinais e um período de vivência na Horta FSP. Interessados?




Planta da Semana: ERVA LUISA